O deputado Fábio Sousa (PSDB) criticou o apoio do Itamaraty à decisão da UNESCO de que o Monte do Templo (região de Jerusalém, onde está localizado o Muro das Lamentações, por exemplo) é sagrado apenas para muçulmanos. Em discurso ontem, 17, no Plenário da Câmara Federal, o parlamentar afirmou que essa decisão é contrária à crença de quase 90% da população brasileira.
Recentemente a UNESCO aprovou em uma votação a indicação pelos palestinos, apoiada pelo Brasil, de que a região onde está localizado o Muro das Lamentações e o templo mais importante dos muçulmanos naquela cidade é, de acordo com a resolução, sagrada apenas para os muçulmanos. “Não estou aqui criticando a religião muçulmana, longe de mim fazer isso. Minha crítica é ao Itamaraty, por tomar uma decisão que não reconhece a posição da maioria dos brasileiros, cerca de 90%, que tem a cidade de Jerusalém como sagrada”, explicou Fábio Sousa.
O deputado afirmou ainda que Jerusalém é uma cidade sagrada para judeus e cristãos de todos os matizes religiosos, inclusive católicos e evangélicos. “O Governo brasileiro desconsiderou, por parte do Itamaraty, seu órgão representativo junto à UNESCO, a posição dos brasileiros”, ressaltou Fábio Sousa, concluindo a crítica.